agricultura-inteligente-com-iot-agricola.jpg

Startups do agro: a tecnologia e a inovação também estão no campo

Dentro do agronegócio, as startups que mais vem se destacando são as do setor agropecuário, nomeadas como agtech (tecnologia agrícola) e foodtech (tecnologia da ciência alimentar).

41% do território brasileiro é dedicado ao mercado agro. Só esse número já justifica o motivo pelo qual esse setor não poderia andar sozinho. Dando um panorama geral, O volume de investimentos em agtechs - empresas de base tecnológica em agronegócio - no Brasil chegou a US$ 200 milhões em 2022. O valor representa 100% a mais do que o aporte total registrado em 2021, quando foram repassados US$ 109 milhões para o mercado de alto risco.

Dentro destes cenários, as startups que mais vem se destacando são as do setor agropecuário, nomeadas como agtech (tecnologia agrícola) e foodtech (tecnologia da ciência alimentar). Os termos surgiram em 2017 para definir a inovação que ocorre em toda a jornada de abastecimento de alimentos – da fazenda ao prato do consumidor.

O agro é uma indústria complexa, o que torna as mudanças desafiadoras, pois inclui uma ampla gama de processos, operações e funções, à medida que os alimentos vão da fazenda para a mesa. No entanto, isso cria muitas oportunidades para tecnólogos desestabilizarem o setor e criarem eficiências com a tecnologia agroalimentar em vários pontos da cadeia.

Elencamos aqui tecnologias digitais que estão transformando a agricultura:

  • Robótica - As novas gerações de trabalhadores rurais estão trocando as tarefas árduas ou com grande esforço físico por conta da tecnologia – acabam ganhando também com a melhoria contínua de processos e a automação. A robótica na agropecuária representa um mercado global de mais de US$ 5 bilhões (R$ 24,86 bilhões) e deve dobrar nos próximos cinco anos.

  • Internet das coisas (IoT) e sensores - A capacidade de rastrear produtos e animais vivos, detectar problemas de saúde e avaliar o ambiente, o solo e demais desafios de clima/sustentabilidade são os principais motivos da implantação de IoT neste setor. Nesta tecnologia inclui-se o contexto de API - Application Programming Interface (Interface de Programação de Aplicação) - na qual um software tem interface com outras soluções, em que um deles fornece informações e serviços que podem ser utilizados pelo outro – e cada vez mais estas integrações são necessárias para que as produções atinjam os resultados esperados.

  • Inteligência Artificial (IA) - Muitas carreiras em alimentos e agricultura dependem de aprender fazendo, em vez de transferência explícita de conhecimento. Isso cria desafios reais, como evitar erros humanos, mal-entendidos e vieses cognitivos. Os modelos de IA vieram para ajudar a fazer uma predição ou previsão de futuro baseado em dados que aconteceram no passado, diferentemente dos relatórios gerenciais de BI (Business Intelligence) que apenas descrevem situações ocorridas no passado. A IA pode parecer uma ameaça aos consultores e especialistas do agro, mas é preciso avaliar que provavelmente profissões não serão eliminadas e sim terão novas funções – será necessário conhecimento técnico destes profissionais para interpretarmos os dados precisos da IA.

  • Impressoras 3D -  A capacidade das impressoras 3D de consertar má , imprimir alimentos ou até mesmo fazer uma prótese para um animal de genética melhoradora oferece uma clara vantagem para fazendas em todo o mundo, gerando economias e soluções mais ágeis.

  • Drones - A habilidade dos drones de ir aonde os humanos não podem e ver coisas que não são facilmente observadas do chão cria insights reais sobre proteção contra pragas, aplicação de fertilizantes e herbicidas, irrigação e época de colheita.

  • Realidade Virtual (RV) - A capacidade da RV de ensinar os alunos de ciências agrárias sobre o funcionamento interno dos animais (sem vivissecção) e como as plantas crescem – ou simplesmente poder visitar fazendas – é uma oportunidade extraordinária para estudantes e consumidores se envolverem com criações e lavouras - além de entenderem cada detalhes da jornada de um cultivo.

  • Conectividade em nuvem- Apesar do 5G representar um desafio neste setor quando fazendas ainda não possuem qualquer conexão, os governos entendem que, para revolucionar a agropecuária, é essencial abordar a conectividade. Os serviços de computação baseados em nuvem oferecem recursos mais flexíveis e econômicos do que os disponíveis com opções convencionais baseadas em servidor ou até mesmo de computação de borda. Além disso, a cultura DevOps também se faz necessária, pois ela reúne o fator humano – definindo práticas para integração entre as equipes de desenvolvimento de softwares, operações (infraestrutura ou sysadmin) e de apoio envolvidas (como controle de qualidade) e a adoção de processos automatizados para produção rápida e segura de aplicações e serviços.

Todo esse movimento revela que a inovação no agro tende a ser impulsionada ainda mais rapidamente, o que deve trazer mais eficiência e agilidade, bem como novos produtos e tendências do setor.
Se você acredita que o agro não quer mais ser a indústria menos digitalizada do mundo e precisa de ajuda para aplicar a transformação digital no setor, procure a gente – a act digital pode ser sua parceira neste desafio de evolução do seu negócio.

Share
Copy
Article copied

Relacionado

Ver tudo
right arrow

Quer saber mais sobre os nossos serviços e como podemos gerar novas oportunidades para o seu negócio?

image